Líquen

É comum encontrarmos crostas esverdeadas em muros, rochas e troncos de árvores. Esses são os líquens (ou líquenes).

Eles podem ter diversas colorações, indo desde o verde acinzentado até cores mais fortes e chamativas, com tons de vermelho e amarelo.

Aqui você pode ver outras fotos de diferentes líquens.

Os líquens  são formados por uma associação de dois organismos totalmente distintos, sendo sempre um fotossintetizante, chamado de fotobionte, e o outro um fungo, chamado de micobionte.

A “parte” fotobionte do líquen pode ser uma alga formada por uma só célula ou uma cianobactéria. É esse organismo que produz o alimento que será usado pelo líquen como um todo.

O micobionte, ou seja, o fungo que forma o líquen,  é o responsável por criar um ambiente no qual o organismo fotobionte possa sobreviver. Dessa forma, as algas ou as cianobactérias são encontradas no interior do líquen, protegidas externamente pelo fungo, que forma uma fina camada que impede a perda de água. Assim, essa relação parece ser benéfica para ambos, uma vez que o fungo recebe o alimento de que precisa e em troca fornece proteção para a alga ou para a cianobactéria.

Mas pesquisas recentes têm mostrado que muitas algas que formam líquens viveriam muito melhor se estivessem sem os fungos e em um ambiente ideal. Dessa forma, essa interação seria muito mais vantajosa para os fungos do que para as algas. É por isso que muitos cientistas acreditam que os líquens são na verdade formados por um fungo que parasita um tipo de alga.

Mesmo assim, a alga sozinha não seria capaz de sobreviver no ambiente onde o líquen é encontrado. Portanto, apesar de estar sendo parasitada, sua sobrevivência naquele local seria impossível sem a presença e a interação do fungo.

Essa interação que forma os líquens é muito frágil, e é por isso que em locais onde a presença humana é muito forte, como em grandes cidades, é mais difícil encontrarmos líquens. É amplamente aceito que a poluição ambiental é um forte fator que impede o crescimento de líquens nesses locais.

A reprodução de líquens acontece com a liberação de pequenos grãos formados por algumas algas e por parte do fungo. Esses grãos recebem o nome de sorédios.

Como o líquen é formado por dois organismos diferentes, não podemos classificá-los em grupos biológicos, e até mesmo sua identificação é muito difícil. A classificação de espécies de líquens é feita com base principalmente no tipo de fungo e no formato do líquen. Mas essa classificação não tem muito valor biológico, uma vez que temos dois genomas (conjuntos de DNA) totalmente diferentes do ponto de vista evolutivo. É muito melhor vermos um líquen como uma interação entre dois organismos.

Sobre Daniel Bagatini

Curioso, chato e muito ocupado. Se não esqueci nada, essa dever ser a melhor definição de mim mesmo. Se ainda quer saber mais, sou um aspirante a Doutor e atualmente Professor (ou babá) de Ensino Fundamental. Adoro crianças, principalmente quando elas viram adultos e saem de casa, caso estejam assadas também são uma opção muito boa! ;p